quinta-feira, 24 de julho de 2014

Vídeo: conheça o Pantsir S1, sistema de defesa antiaérea de fabricação russa que será adquirido pelo Brasil


Assista ao vídeo com legendas em inglês que mostra o funcionamento do impressionante sistema  de defesa antiaérea Pantsir S1, que em breve deve ser adquirido pelo Brasil para equipar o Exército, Aeronáutica e  Fuzileiros Navais.
Fonte > forte.jor

Portaria regulamenta atuação das Forças Armadas em ações humanitárias


O objetivo é regulamentar as diretrizes para o emprego das Forças Armadas em situações de emergência, desastres, calamidades públicas e ações humanitárias


O Ministério da Defesa publicou no Diário Oficial da União, desta terça-feira (22), portaria que aprova diretrizes para o emprego e a atuação do serviço social das Forças Armadas em situações de emergência, desastres, calamidades públicas e ações humanitárias.
De acordo com a norma, a atuação do serviço social é direcionada pela Política de Assistência Social das Forças Armadas, quando acionada ou por demandas de caráter humanitário no contexto de apoio mútuo das Nações Unidas (ONU), conforme normas de Organismos Multilaterais.
A atuação das forças de defesa se dão em caráter subsidiário às ações pertinentes ao executado pelos órgãos governamentais de assistência social da localidade atingida, quando insuficientes, esgotadas as possibilidades de ação da assistência frente aos requerimentos de proteção e garantia dos mínimos vitais da população afetada.

Atuação
A portaria estabelece ainda que as Forças Armadas devem atuar no apoio às ações de planejamento, coordenação e execução das atividades de assistência social destinadas às populações afetadas. Além do desenvolvimento de parcerias com instituições públicas, privadas e com a sociedade civil, visando à dinamização e ao fortalecimento do acesso às diversas ações assistenciais empreendidas pelo Serviço Social no contexto dessas situações.
Confira a Portaria Normativa Nº 1.771/MD completa

-Fonte: Diário Oficial da União

PortalBrasil/montedo.com

Ator vai viver cabo do Exército na próxima novela da Globo

José Loreto mostra um pouquinho do treinamento que fez no Exército

O laboratório aconteceu para personagem na novela Boogie Oogie
José Loreto (Foto: Instagram / Reprodução)
José Loreto não mede esforços quando o assunto é trabalho. Dedicado, o ator busca sempre se focar ao máximo na construção dos personagens e não seria diferente com soldado Pedro, o vilão de Boogie Oogie, a próxima novela das 18h da Globo.

Para entender melhor a dinâmica do exército, José fez um extenso laboratório no Regimento Escola de Infantaria, no Rio de Janeiro, podendo vivenciar a rotina dos militares bem de perto. Nas redes sociais, o ator posou com o uniforme verde oliva e mostrou respeito pela vida militar: “Cabo Pedro em construção. Viver outras vidas é um privilégio. Obrigado, meu Deus. Disciplina + hierarquia + dedicação = vida militar”
Educado, ele também fez questão de agradecer os parceiros pelo acolhimento: “Muito obrigado ao Regimento Escola de Infantaria, por possibilitar um laboratório tão completo para meu personagem. Tive o prazer de acompanhar a vida militar, desde as 6:30 até as 16:30. Guardarei para sempre está vivência. Obrigado REI, comandante e todos os oficias e praças pela paciência e ajuda”, salientou.

Fonte > o fuXico/montedo.com

Em guerra contra a leucemia, Capitão do Exército necessita de transplante de medula. O doador pode ser você!

O Portal Sgda apoiando esta campanha!



Mobilização para ajudar militar de MS ganha país


A fé move montanhas e a amizade também. Em Campo Grande, amigos do militar do Exército Michel Maruyama se mobilizam em uma campanha para o cadastro de medula óssea. Com 31 anos, o militar luta contra uma leucemia e um transplante de medula pode curar a doença. A mobilização virtual ganhou proporção nacional e até internacional. Militares e amigos estarão em hemocentros para se cadastrarem como doadores amanhã (19) em vários pontos do Brasil. A campanha chegou até famosos e atletas, como o o zagueiro da Seleção Brasileira, David Luiz que apoia a campanha. Ele chegou a divulgar um vídeo para incentivar a doação.

A assessora jurídica Fabíola Shimabukuro, amiga de Michel, mora em Campo Grande. Ela conta ao Diário Digital que o conheceu nos tempos de escola e é uma grande amiga da família do jovem. "Nos conhecemos na escola, sou muito amiga da irmã dele, por isso também estou incentivando e pedindo para que meus amigos façam o cadastro para doação", fala. Ela também conta com ajuda de colegas de trabalho, que se sensibilizaram com a luta do militar.
Clique aqui, para acessar a lista de Hemocentros no Brasil inteiro.
Página do Facebook do Capitão Michel.
"Estamos compartilhando a campanha no Facebook, no celular e divulgando para conseguir doadores para ajudar ele. Estamos muito confiantes de que a vitória vai chegar", fala Fabíola.
No próximo sábado (19),a família de Michel, que hoje reside em Brasília, realiza uma campanha nos hemocentros de Brasília para aumentar o número de doadores. Também em Campo Grande, amigos e familiares realizam a campanha no banco de sangue da Santa Casa. A campanha de Michel também gerou várias ações no Exército, no Rio de Janeiro, Manaus, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Pará, além de manifestações de apoio de militares realizando cursos do exterior no Fort Sill, em Oklahoma e no Fort Leonard Wood, no Estado do Missouri, nos Estados Unidos.

A irmã de Michel, Cristiane Maruyama, por telefone ao Diário Digital conta que passado o impacto forte da notícia sobre o diagnóstico de leucemia, as angústias dão espaço para um sentimento maior de luta pela vida e solidariedade. "O Michel está reagindo bem ao tratamento e temos focado nossas forças em mobilizar as pessoas para o cadastramento como doadores de medula. Essa campanha toda, o suporte que estamos recebendo de amigos e familiares, renovam as nossas energias diariamente. 

É a luta pela cura, pela vida do Michel, potencializada pela possibilidade de também ajudarmos outras pessoas que estão passando por um problema com o dele. Estamos confiantes em Deus", diz.
Criada no dia 6 de junho deste ano, a página da campanha para ajudar Michel no Facebook, já tem 1.280 mil curtidas, com alcance das publicações de mais de 75 mil pessoas. A foto principal da campanha já tem 391 curtidas e 864 compartilhamentos.
A divulgação foi tanta, que a campanha chegou ao conhecimento de famosos. O jogador da seleção brasileira, Davi Luiz chegou a gravar um vídeo, onde ele manda forças a Michel e pede que as pessoas doem. "O Michel infelizmente está com leucemia, ele precisa dessas doações como inúmeras pessoas que também precisam no nosso país. É uma doação simples de medula óssea, mas muitas vezes as pessoas não entendem e não sabem como ajudar", fala o jogador no vídeo.

O Comando da 5ª Região Militar - 5ª Divisão de Exército sediado no Comando Militar do Sul (CMS) estará realizando a divulgação da campanha de incentivo a doação de medula óssea no âmbito das Organizações Militares dos Estados do Paraná e Santa Catarina e o Centro de Comunicação Social do Exército (CComSEx), sediado em Brasília, está preparando uma campanha institucional para ser divulgada em todas as Organizações Militares do país.
Michel ingressou no exército com 16 anos, cursou a Academia Militar das Agulhas Negras - AMAN, foi atleta de Pentatlo Moderno do Exército, Paraquedista e serviu na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti em 2008.

No dia 21 de março deste ano, após um quadro de fadiga e anemia grave foi diagnosticado com Leucemia Mieloide Aguda (LMA). Ele iniciou o tratamento quimioterápico no Hospital Militar de Curitiba (HGeC), onde já realizou três ciclos de quimioterapia.
Após alguns exames específicos teve indicação médica para a realização do Transplante de Medula Óssea (TMO) como forma de consolidação da cura. O estado de saúde atual do Michel é estável e, quanto antes o transplante puder ser feito, maiores e melhores serão as chances de sucesso do tratamento.

Fonte > DIÁRIO DIGITAL/montedo.com

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Site mapeia delitos em capitais com informações de usuários

Reprodução

Você já foi furtado enquanto andava pela rua? Assaltado no transporte público? Se não, certamente conhece alguém que sim ou sabe de histórias do tipo. E se você pudesse compartilhar esses dados com outras pessoas na internet? Esta é a ideia do “Onde Fui Roubado”. O site reúne informações de pessoas que reportam algum tipo de delito e mostra em um mapa quais são as áreas mais perigosas em sete capitais brasileiras.

           ACESSE >   www.ondefuiroubado.com.br/

O projeto surgiu há um ano, criado por três estudantes de computação na Bahia: Filipe Norton, Fernando Sandes e Márcio Vicente. A ideia era lançar um projeto na web que pudesse alcançar um grande número de pessoas e ajudar a sociedade de alguma maneira. “Muita gente acha que foi por a gente sofrer algum tipo de violência, mas não. Buscamos alguma área social deficiente e vimos que na de criminalidade ainda faltava alguma coisa”, conta Norton. “Casou certinho, a violência é algo generalizado.”

No site, há um espaço de estatísticas baseadas nas denúncias feitas pelos internautas. Sandes conta que o foco, no início, era o mapa, mas que eles viram nas estatísticas algo importante. “Estas informações são muito interessantes já que delas podem surgir dados comparativos à medida que o site cresce”, explica. É possível saber quais as zonas mais perigosas de cada cidade, em quais bairros a violência está aumentando, quais os tipos de delitos mais cometidos. “A gente quer ir mais a fundo sobre isso e ver como podemos transformar os registros em dados cada vez mais confiáveis, para que a gente cause alguma mudança.”
Segundo Sandes, em julho o número de acessos diários cresceu muito e passou de 2.000, em junho, para cerca de 15.000.

Aplicativo
Daqui a dois meses, eles pretendem lançar um aplicativo, que está sendo desenvolvido tanto para a plataforma iOS quanto para Android. Segundo eles, os outros sistemas operacionais, como Windows, também estão nos planos. Os recursos do app vão além daqueles que o site já oferece. “Podemos utilizar a mobilidade de um celular para captar os dados de forma mais inteligente e dar um retorno ainda maior para o usuário”, afirma Vicente.

O desenvolvedor conta que, nas próximas versões, além de existir uma melhoria nos recursos já disponíveis, o objetivo é aumentar a chance de o usuário se prevenir contra crimes na cidade em que está.
Siga a FORBES Brasil no Twitter (@forbesbr), no Facebook (ForbesBrasil) e no Instagram (@forbesbr).
Assine a revista impressa, em www.assineforbes.com.br

Fonte > forbesbrasil

7 indícios de que o seu smartphone Android está infectado