quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

CONCURSOS ABERTOS NO EXÉRCITO BRASILEIRO 2015

Fonte > Exército > www.eb.mil.br

CONHEÇA OS POSTOS E GRADUAÇÕES DO EXÉRCITO BRASILEIRO

Oficiais Generais
 
Marechal
General de Exército
 
 
General de Divisão
General de Brigada
 
 

 
Oficiais Superiores
 
 
 
 
 
Coronel
Tenente-Coronel
 
 
 
 
 
 
Major
 
 
 
 
 
 

 
Oficiais Intermediarios
 
 
 
 
 
 
Capitão
 
 
 
 
 
 Oficiais Subalternos
 
 
 
 
 
1º Tenente
2º Tenente
 
 
 
 
 
 
Aspirante a Oficial
 
 
 
 
 
 

 Graduados
 
 
 
 
 
Subtenente
1º Sargento
 
 
 
 
 
2º Sargento
3º Sargento
 
 
 
 
 
Taifeiro-Mor
Cabo
   
 
 
Taifeiro de 1a Classe
Taifeiro de 2a Classe
  
  
 
 Soldado

Fonte > Exercito > www.eb.mil.br

Conheça o SISFRON "Integrando capacidades na vigilância e na atuação em nossas fronteiras"

O SISFRON é um sistema integrado de sensoriamento, de apoio à decisão e de emprego operacional cujo propósito é fortalecer a presença e a capacidade de ação do Estado na faixa de fronteira. O SISFRON foi concebido por iniciativa do Comando do Exército, em decorrência da aprovação da Estratégia Nacional de Defesa, em 2008, que orienta a organização das Forças Armadas sob a égide do trinômio monitoramento/controle, mobilidade e presença. O sistema enfatiza o adensamento de Unidades das Forças Armadas nas fronteiras e impulsiona a capacitação da indústria nacional para a conquista da autonomia em tecnologias indispensáveis à defesa. 
Para o Exército, o SISFRON deverá, além de incrementar a capacidade de monitorar as áreas de fronteira, assegurar o fluxo contínuo e seguro de dados entre diversos escalões da Força Terrestre, produzir informações confiáveis e oportunas para a tomada de decisões, bem como atuar prontamente em ações de defesa ou contra delitos transfronteiriços e ambientais, em cumprimento aos dispositivos constitucionais e legais que regem o assunto, em operações isoladas ou em conjunto com as outras Forças Armadas ou, ainda, em operações interagências, com outros órgãos governamentais.
Os meios de sensoriamento do SISFRON estarão desdobrados ao longo dos 16.886 quilômetros da faixa de fronteira, monitorando uma área de aproximadamente 27% do território nacional, o que potencializará o emprego das organizações subordinadas aos Comandos Militares da Amazônia, do Oeste e do Sul. Além de servir de instrumento para a integração da atuação dos vários escalões de emprego da Força Terrestre, desde patrulhas e postos de controle na faixa de fronteira, passando pelos batalhões, brigadas, divisões, Comandos Militares de Área e chegando ao Comando de Operações Terrestres (COTER), em Brasília, o SISFRON terá condições de compartilhar os benefícios de seus produtos e serviços com outros órgãos governamentais em todos os níveis. 
Nesse sentido, o SISFRON também atende às orientações estratégicas do Plano Estratégico de Fronteiras, estabelecido pelo Governo Federal em 2011, particularmente no que diz respeito à implementação de projetos estruturantes para o fortalecimento da presença estatal na região de fronteira e à atuação integrada dos órgãos de segurança pública e das Forças Armadas, bem como de outras agências governamentais.

FONTE > Exercito > http://www.eb.mil.br/

Conheça o SGD Sistema de Gestão de Desempenho do Exército


O Exército dispõe de um sistema formal de avaliação desde 1973. Desde então, buscando manter o sistema adequado às demandas da Força, foram promovidos sucessivos aperfeiçoamentos.
Em 2015, a avaliação será alinhada à Transformação do Exército, com o Sistema de Gestão do Desempenho (SGD), visando dois objetivos finalísticos:
  • o primeiro, focado nas pessoas, para melhorar o desempenho profissional; e
  • o segundo, centrado na organização, para subsidiar os processos seletivos e de promoções do Exército.
A primeira etapa da implantação do SGD é o conhecimento do Sistema, o que será alcançado, precipuamente, por meio de Ensino à Distância (EAD). Assim, a DA Prom, em parceria com a Fundação Trompowsky, capacitará nos meses de março e abril próximos todos os participantes do processo de avaliação, totalizando mais de 50 mil militares.
Para matrícula no EAD acesse www.ensino.eb.br e selecione no campo “Cursos” o estágio para matrícula, conforme cronograma abaixo:
PerfilMatrículaRealização
Cmt, Ch ou Dir e Gestor da Avaliação da OM26 JAN a 27 FEV 152 MAR a 13 MAR 15
Avaliador Vertical (Cel a S Ten)26 JAN a 27 FEV 152 MAR a 13 MAR 15
Avaliado e Avaliador Lateral (1º Sgt a 3º Sgt)26 JAN a 20 MAR 1523 MAR a 30 ABR 15
Cabe destacar, conforme estabelece o An A das IR para o Sistema de Gestão do Desempenho do Pessoal Militar do Exército, que o Cmt, Ch ou Dir deve designar o Gestor da Avaliação da OM até 31 JAN, de forma a que possa ser matriculado no perfil adequado de curso do EAD.
Visite com frequência esta página que tem por finalidade consolidar as informações sobre o SGD. Leia mais...

Fonte > Exercito - http://www.eb.mil.br/ 


quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Google cedeu pilhas de informações do WikiLeaks ao FBI em 2012

reziedasdsa

O WikiLeaks pediu explicações ao Google depois de vir à tona que a gigante de buscas cedeu ao FBI emails e informações digitais de três membros do WikiLeaks, após receber ordens judiciais entregues em março de 2012.
Foram três anos para o Google admitir ao WikiLeaks que entregou dados digitais para as autoridades americanas. Em uma carta destinada a Eric Schmidt, presidente do Google, o WikiLeaks explica que está “surpreso e perturbado” que o Google tenha esperado tanto tempo para revelar isso. A carta salienta que a longa espera poderia impedir as chances da organização de proteger seus direitos a “privacidade, associação e de se libertar de buscas ilegais.” A carta ainda exige do Google uma lista com todo o conteúdo que foi cedido ao FBI e indaga se a empresa ao menos tentou impedir que as ordens judiciais fossem executadas. Leia mais...

Fonte > GIZMODO

Polícia pressiona Google a desativar recurso no Waze que avisa quando há policiais por perto

Waze com icones

O Waze exibe o trânsito em tempo real graças à sua comunidade, e possui um recurso que mostra se há policiais na sua rota. Você também pode colocar um alerta no mapa caso encontre uma blitz ou algo do tipo. Só que os policiais não estão muito contentes, alegando que isso facilita perseguições a eles.
Segundo a Associated Press, alguns policiais dos EUA acusam o Waze de auxiliar perseguições e até mesmo de ser uma ferramenta para quem queira matar policiais, já que o app mais ou menos revela a posição deles.
Eles querem que o Google – dono do Waze – retire completamente do app o recurso de rastreamento policial. Mas esse recurso não veio em uma atualização recente: isso existe há anos. Por que estão pedindo isso agora? Tem a ver com isto:
Conta de dontrunup no Instagram
À esquerda, está a interface do Waze, mostrando que outros usuários avistaram policiais por perto. À direita, estão os comentários do usuário “dontrunup” no Instagram. Seu nome real é Ismaaiyl Brinsley, que em dezembro matou dois policiais em Nova York (e depois se suicidou). Leia mais...

Fonte > GIZMODO

É possível disparar uma arma no espaço?

resize

O espaço é cheio de potenciais perigos — cometas, marcianos, sacolas cheias de cocô de astronauta, você escolhe. Mas, caso fosse mesmo necessário se defender de um inimigo interestelar, uma arma tradicional funcionaria no espaço?

O vácuo do espaço sideral não é um problema na hora de disparar uma arma. Afinal, tecnicamente, armamentos não precisam de oxigênio para funcionar. A pólvora (ou qualquer que seja o explosivo que está no cartucho da arma) é completamente selada e não sofre interferência da atmosfera presente. Ela possui um oxidante misturado com o combustível e é perfeitamente capaz de disparar no vácuo. Até a cápsula do cartucho, que também é selada, funcionaria no vácuo.

De fato, uma arma não só funcionaria no espaço, como funcionaria até um pouquinho melhor, já que o projétil não precisaria comprimir o ar enquanto é disparado. E como no espaço não existe ar para diminuir a velocidade da bala conforme ela faz sua trajetória, a distância que o disparo pode atingir seria essencialmente infinita. É claro que a trajetória eventualmente faria uma curva, uma vez que ela provavelmente ainda estaria em órbita, mas uma órbita notoriamente diferente da órbita da arma ou da de quem fez o disparo. Leia mais...

Fonte > GIZMODO

Sem folia: milicos vão passar o Carnaval combatendo o narcotráfico na 'cabeça do cachorro'.

Carnaval no AM terá PF e Exército no combate ao narcotráfico, diz SSP

Ação será realizada na tríplice fronteira, segundo o delegado Sérgio Fontes.
Operações poderão iniciar antes do Carnaval para evitar fluxo de drogas.
Exército, Marinha e Aeronáutica intensificaram ações nas fronteiras da Amazônia Ocidental (Foto: Divulgação/Exército)
Operações serão realizadas periodicamente entres as forças de segurança estaduais e federais (Foto: Divulgação/Exército)
Adneison Severiano
Do G1 AM
A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) anunciou que deverá realizar operações conjuntas com o Exército e a Polícia Federal para combater o narcotráfico no Amazonas. De acordo com o novo secretário de Segurança, delegado Sérgio Fontes, o início das operações deve ocorrer antes do carnaval, para interceptar cargas de drogas vindas de países vizinhos, que seriam comercializadas nesse período.
O território do Amazonas fica interligado a uma das principais rotas do tráfico de entorpecentes no país – a tríplice fronteira (Brasil, Colômbia e Peru). A faixa de fronteira, segundo Fontes, será alvo do trabalho articulado pela SSP-AM.

O delegado explicou que as principais prioridades do governo estadual envolvem ações para evitar crimes contra a vida, combatendo o tráfico de drogas e organizações criminosas no estado.
"Temos ciência que a criminalidade organizada é vetor de todos os crimes, seja grande ou pequeno, principalmente o narcotráfico. Somos vizinhos dos maiores produtores de cocaína do mundo, que são a Colômbia e o Peru. Essa vizinhança para o Amazonas e todo o Brasil não é boa porque a droga entra no país, sendo que a grande quantidade fica aqui. Esse mercado de drogas que faz os crimes de homicídio e crimes bárbaros. A criminalidade pequena também é financiada pelo narcotráfico", explicou o secretário.
Rota do tráfico a partir do Peru, segundo a PF/AM (Foto: Arte/G1AM)Fontes disse que, atualmente, a Secretaria de Segurança trabalha no planejamento das operações conjuntas. As tropas farão ações de bloqueio e patrulhamento nos rios. A SSP informou ainda que irá se reunir com o Comando Militar da Amazônia (CMA) para tratar sobre o assunto e definir as ações prioritárias.
"Queremos que elas comecem o mais rápido possível no mês de fevereiro. Talvez antes do carnaval. A nossa intenção é que ocorra antes do carnaval para o fluxo maior de drogas fosse bloqueado, regerando a redução da oferta. Depende da logística, mas tenho equipes trabalhando no Alto Solimões preparando essa operação", ressaltou Fontes.
A proposta da Secretaria de Segurança Pública, segundo o delegado, é realizar operações periodicamente. A SSP-AM pretende ainda realizar trabalhos pontuais em Manaus com Polícias Civil e Militar. "Não basta ser somente antes do Carnaval. É preciso as ações em um fluxo cada vez mais constante e sequenciado, porque, se vamos a um local e não voltamos mais, o traficante retorna tranquilamente. Temos que aturar essas vias de acesso até eles procurem outras vias", justificou o secretário.

Ainda não há informações conclusivas sobre o efetivo das forças estaduais e federais que serão empregados nas ações. A Polícia Federal no Amazonas informou ao G1, por meio da assessoria de comunicação, que reuniões estão sendo realizadas para definir a integração do Estado com a PF. A reportagem tentou contato com o Comando Militar da Amazônia (CMA), mas não obteve sucesso.

Fonte > G1/montedo.com

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Brasileiro assume comando de base da ONU no Saara Ocidental.

O militar lidera um grupo de 15 observadores de 12 diferentes países

Imagem: arquivo pessoal/FAB
Tifariti (Marrocos) - O Major Intendente Adriano Maia Ribeiro de Azevedo, da Força Aérea Brasileira, assumiu nesta semana o comando de uma base da Missão de Paz da ONU no Saara Ocidental. Localizada no meio do deserto, a base está na vila de Tifariti, palco de batalhas durante a guerra travada entre 1975 e 1991. A passagem de comando aconteceu no último dia 19.
O brasileiro lidera um grupo de 15 observadores militares de 12 diferentes países. "São muitos os desafios, mas liderar de forma harmônica uma equipe com tamanha diversidade de origens, culturas e religiões é sem dúvidas o maior deles. É necessário que todos estejam em sintonia", conta o militar brasileiro. Também há o trabalho de gerenciar a logística de água, comida e de combustível.
Tifariti é uma das nove bases sob o comando da Missão das Nações Unidas para o Referendo no Saara Ocidental (MINURSO). O grupo de 15 observadores militares é responsável pelo monitoramento de uma área de 12.000 quilômetros quadrados na fronteira com a Mauritânia. "São realizadas patrulhas diárias e visitas regulares às unidades militares sediadas na região, de modo a se atestar o cumprimento dos acordos firmados", explica o Major Adriano.

"O contato com a população que sofreu as barbáries de uma guerra, e que até hoje apresenta resquícios daquele período, não só me torna um profissional melhor, mas principalmente uma pessoa melhor", conta. Formado pela Academia da Força Aérea em 2001, ele foi voluntário para a missão e está no país africano desde o dia 1° de setembro.
A MINURSO atua desde 1991 e conta atualmente com 225 militares de 34 países. "Como militar brasileiro, sinto-me muito honrado em poder contribuir para solidificar ainda mais o nome do Brasil nas missões de paz da ONU. É com muito orgulho que percebo o quão respeitado é o militar brasileiro hoje em sua participação internacional, sempre tido como exemplo de profissionalismo, imparcialidade e boa convivência", afirma o Major.

Fonte > Agência Força Aérea/montedo.com

sábado, 24 de janeiro de 2015

Helicópteros americanos também estão na mira do Exército Brasileiro

AH-1Z Viper
AH-1Z Viper













Roberto Lopes

Exclusivo para o ForTe – Forças Terrestres

O Exército brasileiro planeja adquirir 36 helicópteros de ataque em três lotes de 12 unidades cada um – o primeiro no período de 2016 a 2019, conforme o estipulado pelo Plano de Obtenção de Capacidades Materiais definido pelo Plano Estratégico do Exército.

Nesse momento, as aeronaves que estão sendo avaliadas pelo Grupo de Ensaios e Avaliações (GEA) do Comando de Aviação do Exército (CAVEX) são o T-129 Mangusta modernizado – de fabricação italiana – , o AH-1Z Viper – sucessor do festejado AH-1 Super Cobra –, e o Mi-28NE – versão que já equipa as Forças Armadas da Rússia.

Fonte > Forte.jor